• image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image

 

 Mês de Março, Mês da Mulher- breve contextualização

 

A 8 de Março de 1857, em plena Revolução Industrial, um grupo de operárias em Nova York foram trancadas e queimadas vivas pelo seu patrão e pelas forças policiais ao reivindicar as mesmas condições salariais e laborais dos homens. Na convicção de que este drama jamais deveria ser esquecido e que a coragem daquelas mulheres deveria ser para sempre homenageada, as Nações Unidas, em 1910 declarou-o como dia Internacional da Mulher.

 

O Dia Internacional da Mulher deve servir para chamar para a mudança e para celebrar actos de coragem e determinação por mulheres comuns que têm desempenhado um papel extraordinário na história de seus países e comunidades – sobretudo, uma oportunidade para reflectir sobre os progressos realizados. E o resultado desta reflexão tem sido, invariavelmente a de que, apesar de todas as conquistas alcançadas ao longo das décadas, ainda há muito por fazer.

 

São várias as facetas da desigualdade entre homens e mulheres: desde a violência baseada no género, às “barreiras invisíveis” para as mulheres no mundo laboral, na diferente possibilidade de ascensão a lideranças e cargos de chefias.

 

É necessário ressaltar que enquanto existir a atribuição de tarefas domésticas em função do sexo das pessoas, a distinção de brinquedos para meninas e para meninos, a utilização da imagem feminina estereotipada na publicidade, e tantas outras situações igualmente corriqueiras, o culto da diferença que leva desigualdade continuará a perpetuar todas as suas facetas, inclusivamente a da VBG.

 

Para além disso, já no contexto nacional, celebramos a 27 do mesmo mês, o dia da mulher cabo-verdiana, numa homenagem ao seu papel fundamental em todo o processo pré e pós Independência.

 

É imbuído de todos este significados que o ICIEG e os seus parceiros tem vindo a assinalar o dia 8 de Março e 27 de Março como sendo as datas centrais do mês da Mulher.

 

Elegeu este ano, o bairro de Tira Chapéu para celebrar o mês da Mulher. Após a apresentação de um diagnóstico social feito pela ACRIDES, onde deparou-se com várias problemáticas sociai, o ICIEG achou que deve dar a sua contribuição para diminuir as problemáticas encontradas. 

 

No âmbito da comemoração do mês de Março- Mês da Mulher e no dentro de uma política de descentralização das actividades comemorativas, elegeu Tira Chapéu, o bairro onde irão se desenrolar grande parte das actividades este ano.

 

Sob o lema “ HomiskuMudjerisdjuntu ta promoviIgualdadidiGéneru”, o ICIEG, e com o intuito de se proporcionar um ambiente saudável de acesso às informações, levar-se-ão a cabo, acções, quais sejam, de formação, sensibilização e informação em temáticas como VBG e Género, empoderamento económico e auto-estima, feira de saúde, atendimento à população com serviços de várias instituições, bem como, a realização de momentos culturais, enaltecendo as potencialidades das gentes do bairro.